Sejam Bem-vindos


Quem a ouve não esquece... Voz exuberante e inconfundível à serviço da alma, refletindo a entrega de quem não teme se doar por inteiro. O poder e a sensualidade da voz negra que tinge a aquarela da música brasileira de marrom, com todo o suingue, brilhantismo e carisma de quem tem certeza que não está aqui por acaso. Vinte e oito discos de ouro e oito de platina, sendo dois deles de platina duplo. Inúmeros prêmios da MPB: Sharp de Música, Caras, Globo de Ouro, Rádio Globo, o Antena de Ouro, Tim, entre outros. Além desses, prêmios de grande vulto internacional como O Pensador de Marfim (concedido pelo Governo de Angola), Personalidade Negra das Artes (concedido pelo Conselho Internacional de Mulheres) e A Voz da América Latina (concedido pela ONU). Este blog é dedicado à cantora mais popular do Brasil. Filha do nosso chão, orgulho nosso. Uma mulher, uma negra, uma nordestina, uma brasileira guerreira: Alcione, a Marrom!


15 maio, 2008

Maranhão Solidário!

Texto e Fotos: Carlos Fernando Marão


Casa cheia em pleno meio de semana. A solidariedade mesclada com a alegria maranhense de receber os ''santos de casa'' dava o tom de como seria a noite. Grupo Lamparina, Chiquinho França, Josias Sobrinho, Tutuca, Gerude, Companhia Barrica e a grande estrela da noite, Alcione, passaram pelo palco sempre deixando a mensagem de fazer o bem sem olhar a quem.

Homenageada e reverenciada por autoridades locais, pelo VOS (Voluntariado de Obras Sociais), por amigos, familiares e fãs, a nossa mais ilustre conterrânea, Alcione Nazareth recebeu flores no palco e nos deu flores da forma como só ela sabe fazer cantando.

Mostrou pra que veio nessa terra com Mangueira é Mãe (fazendo todo mundo levantar e cair no samba), Perdeu Perdeu, Meu Ébano, Maria da Penha, A Loba, Explode Coração (levando o publico presente a um verdadeiro delírio), Linda Flor e lembrou suas raízes com Resumo e um pout pourri de todas de bumba-meu-boi que ela aprendeu com o pai, o maestro João Carlos e com José Sarney: Se Não Existisse o Sol, Maranhão Meu Tesouro Meu Torrão, Mimoso, A Coroa Ainda Existe, Boi de Lágrimas (acompanhada de Gerude e Companhia Barrica, enquanto no telão passavam imagens do Maranhão) e saiu de cena com A Despedida (gravada em 1983 no LP Almas e Corações)


Alcione ainda contou com a participação de sua amiga e contemporanêa da Escola Normal, Leda Nascimento, que declamou uma poesia exaltando a lua e os telhados de São Luís. Prometeu voltar nos dias 24, 25 e 26 de Junho com a Banda do Sol, no São João... A Marrom alertou sobre a dengue, brincou, riu, dançou, cantou e encantou sem esquecer o tema da campanha: FAÇA CHUVA OU FAÇA SOL, FAÇA O BEM!

Nenhum comentário:

Postar um comentário