Sejam Bem-vindos


Quem a ouve não esquece... Voz exuberante e inconfundível à serviço da alma, refletindo a entrega de quem não teme se doar por inteiro. O poder e a sensualidade da voz negra que tinge a aquarela da música brasileira de marrom, com todo o suingue, brilhantismo e carisma de quem tem certeza que não está aqui por acaso. Vinte e oito discos de ouro e oito de platina, sendo dois deles de platina duplo. Inúmeros prêmios da MPB: Sharp de Música, Caras, Globo de Ouro, Rádio Globo, o Antena de Ouro, Tim, entre outros. Além desses, prêmios de grande vulto internacional como O Pensador de Marfim (concedido pelo Governo de Angola), Personalidade Negra das Artes (concedido pelo Conselho Internacional de Mulheres) e A Voz da América Latina (concedido pela ONU). Este blog é dedicado à cantora mais popular do Brasil. Filha do nosso chão, orgulho nosso. Uma mulher, uma negra, uma nordestina, uma brasileira guerreira: Alcione, a Marrom!


30 janeiro, 2009

Primeiro show no Rival

Por Ricardo Spinelli Morcillo

O show começou às 20:20h, o teatro estava lotado como era de se esperar. O show foi excelente, como sempre. No repertório vários sucessos, novos e antigos. Alcione abriu com duas músicas do seu último trabalho: Perdeu, perdeu e Mangueira é Mãe. Cantou também Qualquer Dia Desses, Meu Vício é Você, Maria da Penha, Corpo Fechado.

Após Corpo Fechado de composição da Telma Tavares, Alcione anunciou que em março lançará um novo trabalho que inclui uma canção inédita de Telma. Ela cantou essa canção em primeira mão. Não sei o nome mas a canção é excelente, será sucesso na certa. O público adorou. Aliás, a maioria do público era fã de carteirinha, Alcione falou com a platéia várias vezes, que revidava: "linda", "casa comigo" e outras coisas que é melhor nem escrever.
O clima totalmente informal. Na metade do show, Alcione chamou Jefferson Jr. Alcione saiu do palco. Ele cantou uma canção sozinho e na metade da segunda Alcione voltou para compôr o dueto.
Na segunda metade do show, Alcione anunciou a presença na platéia de Roberta Miranda. O público gritou "canta! canta!". Não teve jeito, Roberta Miranda teve que subir ao palco. Alcione pediu que ela cantasse uma canção da própria Roberta, mas ela queria cantar uma da Alcione. Bem, Roberta cantou um pedacinho de Majestade o Sabiá e depois as duas juntas cantaram Sufoco.

Eu, como sou abusado, entre duas músicas, no meio daquele silêncio básico, gritei "Se não é amor". Eu já tinha feito isso no ano passado no Recreio Gourmet. Novamente Alcione atendeu ao meu pedido e cantou. E de novo, ao final da canção ela declarou que adora essa música, falou que é um "musicão".

Alcione também cantou Rio Antigo, Entidade, Meu Ébano, A Loba, Você me Vira a Cabeça, À Flor da Pele. Ao final do show o público pediu bis e ela voltou para cantar rapidinho Ou Ela ou Eu. Provavelmente faltou mencionar alguma canção, não dá para lembrar de todas... Infelizmente, mais uma vez não deu para falar com ela pessoalmente...

Nenhum comentário:

Postar um comentário