Sejam Bem-vindos


Quem a ouve não esquece... Voz exuberante e inconfundível à serviço da alma, refletindo a entrega de quem não teme se doar por inteiro. O poder e a sensualidade da voz negra que tinge a aquarela da música brasileira de marrom, com todo o suingue, brilhantismo e carisma de quem tem certeza que não está aqui por acaso. Vinte e oito discos de ouro e oito de platina, sendo dois deles de platina duplo. Inúmeros prêmios da MPB: Sharp de Música, Caras, Globo de Ouro, Rádio Globo, o Antena de Ouro, Tim, entre outros. Além desses, prêmios de grande vulto internacional como O Pensador de Marfim (concedido pelo Governo de Angola), Personalidade Negra das Artes (concedido pelo Conselho Internacional de Mulheres) e A Voz da América Latina (concedido pela ONU). Este blog é dedicado à cantora mais popular do Brasil. Filha do nosso chão, orgulho nosso. Uma mulher, uma negra, uma nordestina, uma brasileira guerreira: Alcione, a Marrom!


19 fevereiro, 2009

Alcione Fala para o Jornal de Notícias de Portugal.

Por Ana Vitória

A brasileira Alcione está em Portugal para dar a conhecer o novo CD, "De tudo o que eu gosto". O concerto, que inclui muitos êxitos, tem esta quarta-feira, às 21.30 horas, no Coliseu dos Recreios, em Lisboa, e na próxima segunda-feira, no Casino de Espinho.

"Eu vivi e sobrevivi do que mais gosto de fazer, que é cantar. Isso mesmo é o que acontecerá hoje, no Coliseu", diz Alcione.

O espectáculo, de acordo com a artista, terá por base o novo disco mas não só.

"Para mim um disco e um show são coisas diferentes. Por isso, vou incluir algumas músicas que não fazem parte do CD "De tudo o que eu gosto". Exemplo disto é a homenagem que farei ao centenário de Cartola (cantor e compositor brasileiro que ficou conhecido como o trovador do samba). Na mesma ocasião, homenagearei ainda as cantoras Elza Soares e Clara Nunes e cantarei um fado "Lisboa antiga". Com este seu concerto, evoco um pouco a minha própria trajectória", explica.

Alcione garante que o samba continua vivo e a cada dia se renova. Prova dessa renovação, justifica, é o tema "Trajectória", de Arlindo Cruz.

"Embora não faça parte do meu repertório nem do meu último disco, escolhi-o porque acho que é um samba lindíssimo que, para mim, representa a grande renovação do género".

Sabendo da legião de fãs que tem em Portugal, a intérprete não deixará de cantar alguns dos temas que "são obrigatórios", como "Retalhos", "Não deixe o samba morrer", ou "Estranha loucura". Para a cantora de "Você me vira a cabeça", que também se notabilizou como trompetista, os seus discos nunca são lineares. Logo "De tudo o que eu gosto" também não o é, afirma.

"Eu sou aquilo que sou. Quando estou no palco dou o melhor de mim. Quando de lá desço quero retomar a normalidade, isto é, quero ir ao supermercado, andar na rua como qualquer pessoa e sentar-me em minha casa a bordar. Adoro bordar. Terminei agora, a meias com a minha irmã, uma toalha de 6 m toda bordada a ponto de cruz".

Nenhum comentário:

Postar um comentário