Sejam Bem-vindos


Quem a ouve não esquece... Voz exuberante e inconfundível à serviço da alma, refletindo a entrega de quem não teme se doar por inteiro. O poder e a sensualidade da voz negra que tinge a aquarela da música brasileira de marrom, com todo o suingue, brilhantismo e carisma de quem tem certeza que não está aqui por acaso. Vinte e oito discos de ouro e oito de platina, sendo dois deles de platina duplo. Inúmeros prêmios da MPB: Sharp de Música, Caras, Globo de Ouro, Rádio Globo, o Antena de Ouro, Tim, entre outros. Além desses, prêmios de grande vulto internacional como O Pensador de Marfim (concedido pelo Governo de Angola), Personalidade Negra das Artes (concedido pelo Conselho Internacional de Mulheres) e A Voz da América Latina (concedido pela ONU). Este blog é dedicado à cantora mais popular do Brasil. Filha do nosso chão, orgulho nosso. Uma mulher, uma negra, uma nordestina, uma brasileira guerreira: Alcione, a Marrom!


20 abril, 2009

Alcione grava "Chutando o balde", de Nei Lopes.



Alcione está dando os arremates finais em seu novo disco de inéditas, que tem previsão de lançamento para maio, pela Indie Records. "Acesa", o título deste álbum, promete esquentar com um repertório muito embalado, e que trará as participações especiais de Xande de Pilares e Simoninha. Este último - filho do saudoso Wilson Simonal - divide com ela os vocais em música de Nei Lopes.

Para quem acompanha a carreira da Marrom, sabe que Nei é parceria sempre presente em seu repertório, a ponto de às vésperas de um novo projeto se criar a expectativa sobre o que resultará desse feliz encontro.

E dessa vez, a música é "Chutando o balde", um rap que vira samba, e onde o autor faz uma referência ao seu amigo, o compositor Aldir Blanc, morador da Rua Garibaldi, na Tijuca. A canção poderá ser ouvida também na versão do próprio compositor, que lança seu sexto disco solo no mês seguinte, pela Gravadora Fina Flor e com produção de Ruy Quaresma.


Chutando o Balde
(Nei Lopes)

Chutar o balde
É quando a gente
Está cansado de fazer
Realizar e acontecer
Contra a corrente

Mas pra chutar
Tem que saber
Onde é que o balde
Vai bater
Pra coisa entrar
Sem ofender,
Suavemente

Quem não tem água pra beber
Nem cozinhar seu de-comer
Nem pra lavar, não vai viver
Chutando o balde
Quem já sofreu e aprendeu
Leva na manha como eu
E faz um samba igual ao meu
Que o povo aplaude

Não vale a pena ser juiz
Com tanta fraude
Minando o centro do país
E os arrabaldes
Como dizia Seu Aldir da Garibaldi,
“Quem não agüenta batidão
Vai de Vivaldi”
Ou faz um samba igual ao meu
Que o povo aplaude

3 comentários:

  1. Tô felizão com mais essa colher-de-chá da Marrom. Mas ainda não ouvi o "Laguidibá" gravado no último CD, o qual está fazendo uma falta enorme no espaço "Marrom" da minha discoteca. Aguardo. O endereço é Almirante Alexandrino 345 apto. 101 (Fina Flor Prod.), Santa Tereza.
    Mil abraços!!!

    ResponderExcluir
  2. O "Braz Lopes" aí de cima é pesudônimo do autor de "Chutando o Balde"

    ResponderExcluir
  3. Hahahaha... fala sério!!! De qualquer forma, não deixa de ser uma homenagem a este grande compositor, o mais gravado por Alcione, autor de músicas lindas que abrilhantam sua carreira, como a primeira, Figa de Guiné, e outras, a exemplo de Gostoso Veneno, Sambeabá, Raio de Luar... Pra gente é sempre um privilégio ouvir Alcione cantando Nei Lopes. Que esta parceria nunca se desfaça!

    Beijo!

    ResponderExcluir