Sejam Bem-vindos


Quem a ouve não esquece... Voz exuberante e inconfundível à serviço da alma, refletindo a entrega de quem não teme se doar por inteiro. O poder e a sensualidade da voz negra que tinge a aquarela da música brasileira de marrom, com todo o suingue, brilhantismo e carisma de quem tem certeza que não está aqui por acaso. Vinte e oito discos de ouro e oito de platina, sendo dois deles de platina duplo. Inúmeros prêmios da MPB: Sharp de Música, Caras, Globo de Ouro, Rádio Globo, o Antena de Ouro, Tim, entre outros. Além desses, prêmios de grande vulto internacional como O Pensador de Marfim (concedido pelo Governo de Angola), Personalidade Negra das Artes (concedido pelo Conselho Internacional de Mulheres) e A Voz da América Latina (concedido pela ONU). Este blog é dedicado à cantora mais popular do Brasil. Filha do nosso chão, orgulho nosso. Uma mulher, uma negra, uma nordestina, uma brasileira guerreira: Alcione, a Marrom!


06 dezembro, 2009

Mauro Ferreira comenta a participação de Áurea Martins no show Acesa.


Por Mauro Ferreira
A participação de Áurea Martins foi a maior novidade da estreia carioca do novo show de Alcione, Acesa, na noite de sexta-feira, 4 de dezembro de 2009. "Faz de conta que vocês estão em um bar, na noite", pediu Alcione ao público que lotou o Canecão (RJ) ao chamar Áurea ao palco. Cantora diplomada na escola da noite carioca, onde ficou amiga da Marrom nos anos 70, Áurea desfiou com Alcione os meandros folhetinescos de Vida de Bailarina, sucesso de Ângela Maria nos anos 50. Feito no terceiro álbum de Áurea, Até Sangrar (2008), o dueto foi repetido em Acesa em tons interiorizados, ressaltando a versatilidade vocal de Alcione ("Existem dez cantoras nessa mulher", reiterou Áurea). Depois, sozinha, Áurea - vista em fotos de Mauro Ferreira - confirmou sua excelência vocal ao cantar Janelas Abertas (Tom Jobim e Vinicius de Moraes) em reverência a Elizeth Cardoso (1920 - 1990), intérprete original da música, lançada em 1958 no LP Canção do Amor Demais (Janelas Abertas também figura no repertório de Até Sangrar). Por fim, Áurea cantou com leveza e improvisos O Samba É meu Dom, parceria de Wilson das Neves e Paulo César Pinheiro. Foi a forma de Áurea chamar a colega de volta ao palco.

Além da participação de Áurea Martins, as outras novidades no roteiro de Acesa - em relação à estreia nacional ocorrida em 16 de outubro na casa HSBC Brasil, em São Paulo (SP) - foram música espiritualista de Altay Veloso e Paulo César Feital (Encontro Marcado) e um pot-pourri de sucessos de Jovelina Pérola Negra (1944 - 1998). Alcione engatou Sorriso Aberto, Liberdade Plena, Luz do Repente, Menina Você Bebeu e Bagaço da Laranja na mesma sequência feita no CD Profissão Cantora (1995), de cujo repertório a Marrom também extraiu Viola em Bandoleira, hit do grupo Só Preto sem Preconceito, para o roteiro carioca de Acesa

Nenhum comentário:

Postar um comentário