Sejam Bem-vindos


Quem a ouve não esquece... Voz exuberante e inconfundível à serviço da alma, refletindo a entrega de quem não teme se doar por inteiro. O poder e a sensualidade da voz negra que tinge a aquarela da música brasileira de marrom, com todo o suingue, brilhantismo e carisma de quem tem certeza que não está aqui por acaso. Vinte e oito discos de ouro e oito de platina, sendo dois deles de platina duplo. Inúmeros prêmios da MPB: Sharp de Música, Caras, Globo de Ouro, Rádio Globo, o Antena de Ouro, Tim, entre outros. Além desses, prêmios de grande vulto internacional como O Pensador de Marfim (concedido pelo Governo de Angola), Personalidade Negra das Artes (concedido pelo Conselho Internacional de Mulheres) e A Voz da América Latina (concedido pela ONU). Este blog é dedicado à cantora mais popular do Brasil. Filha do nosso chão, orgulho nosso. Uma mulher, uma negra, uma nordestina, uma brasileira guerreira: Alcione, a Marrom!


16 fevereiro, 2010

Mangueira foi um dos destaques do segundo dia de desfile.

Fonte: O Dia On Line / Terra
A Mangueira superou todas as expectativas e fez uma apresentação brilhante. Ao levar um enredo sobre a MPB para a Avenida, a escola brilhou desde a comissão de frente até a última ala. O casal de mestre-sala e porta-bandeira Rafael e Marcella Alves mostrou maturidade e esbanjou técnica.

Mangueirenses de peso como Alcione, Emílio Santiago e Rosemary vieram no primeiro setor. A bateria de Mestre Jaguara Filho inovou sem deixar de preservar a forte característica do surdo de primeira. O talento dos carnavalescos Jaime Cezário e Jorge Caribé foi comprovado através de um conjunto de alegorias e fantasias extremamente coerente e de fácil leitura. O único momento de tensão foi o princípio de incêndio ocorrido no abre-alas. No fim, a escola acabou correndo um pouco para não estourar o tempo.

A cantora Alcione, que se apresenta há 30 anos pela Mangueira, marcou presença na passagem da agremiação pela Sapucaí, que encerrou a sequência carioca em 2010 na madrugada desta terça-feira (16).

A sambista, que por vezes entoou o coro de sambistas da escola, preferiu poupar a voz e ir à avenida comemorar com os amigos carnavalescos.

Nenhum comentário:

Postar um comentário