Sejam Bem-vindos


Quem a ouve não esquece... Voz exuberante e inconfundível à serviço da alma, refletindo a entrega de quem não teme se doar por inteiro. O poder e a sensualidade da voz negra que tinge a aquarela da música brasileira de marrom, com todo o suingue, brilhantismo e carisma de quem tem certeza que não está aqui por acaso. Vinte e oito discos de ouro e oito de platina, sendo dois deles de platina duplo. Inúmeros prêmios da MPB: Sharp de Música, Caras, Globo de Ouro, Rádio Globo, o Antena de Ouro, Tim, entre outros. Além desses, prêmios de grande vulto internacional como O Pensador de Marfim (concedido pelo Governo de Angola), Personalidade Negra das Artes (concedido pelo Conselho Internacional de Mulheres) e A Voz da América Latina (concedido pela ONU). Este blog é dedicado à cantora mais popular do Brasil. Filha do nosso chão, orgulho nosso. Uma mulher, uma negra, uma nordestina, uma brasileira guerreira: Alcione, a Marrom!


04 março, 2010

Alcione canta Jonnhy Alf: uma homenagem ao compositor carioca, precursor da Bossa Nova, falecido, hoje, em São Paulo.



Alfredo José da Silva nasceu em 19 de maio de 1929 no Rio de Janeiro e começou a aprender piano clássico aos nove anos. Na adolescência, interessou-se por jazz e pelas músicas do cinema norte-americano.

Adotou o nome de Johnny Alf por sugestão de uma amiga norte-americana ao realizar apresentações de jazz.

A música "Rapaz de bem", composta por Alf em 1953, é considerada precursora da bossa nova e revolucionária por seus termos melódicos e harmônicos.

Entre outros sucessos do cantor estão "Eu e a brisa", um dos maiores sucessos e sua carreira, e "Decisão" e "Garota da minha cidade", que representam o estilo mais desinibido de sua obra.

Nenhum comentário:

Postar um comentário