Sejam Bem-vindos


Quem a ouve não esquece... Voz exuberante e inconfundível à serviço da alma, refletindo a entrega de quem não teme se doar por inteiro. O poder e a sensualidade da voz negra que tinge a aquarela da música brasileira de marrom, com todo o suingue, brilhantismo e carisma de quem tem certeza que não está aqui por acaso. Vinte e oito discos de ouro e oito de platina, sendo dois deles de platina duplo. Inúmeros prêmios da MPB: Sharp de Música, Caras, Globo de Ouro, Rádio Globo, o Antena de Ouro, Tim, entre outros. Além desses, prêmios de grande vulto internacional como O Pensador de Marfim (concedido pelo Governo de Angola), Personalidade Negra das Artes (concedido pelo Conselho Internacional de Mulheres) e A Voz da América Latina (concedido pela ONU). Este blog é dedicado à cantora mais popular do Brasil. Filha do nosso chão, orgulho nosso. Uma mulher, uma negra, uma nordestina, uma brasileira guerreira: Alcione, a Marrom!


04 agosto, 2010

Marrom prometeu voltar ao Quintal do Meriti.

Por Sandra Regina

Animadíssimo o Quintal do Meriti, que aconteceu na quinta-feira (29), na Vila do Samba, em São Paulo. A comunidade do Samba da Lage esquentou a casa para a entrada de Serginho Meriti, que continuou na companhia da banda. Alcione, convidada especial da noite, chegou cortando as mesas, direto para o palco, por volta da 1hr da manhã. Como sempre, estava linda! Comentou que se sentia muito honrada em estar no Quintal do Meriti e que nunca deixa de atender aos pedidos do amigo: "o Meriti é assim... onde ele me chamar eu vou, é só ele falar o lugar e a roupa".

Marrom cantou onze músicas - para alegria dos presentes! Começou com "Sinuca de bico", depois "Meu ébano". O público começou a cantar "Menino sem juízo". Ela ficou só observando e, em seguida, cantou com a platéia a música inteira. Então, sentou-se junto à mesa. Meriti anunciou a presença de Ivo Meirelles, presidente da Mangueira. Alcione ficou surpresa: "e não é que ele veio mesmo? Ele disse que viria e veio!!! Venha cá!". Foi aí que os três cantaram "Mangueira é mãe" e o hino da Mangueira, puxado pelo presidente. Ele falou um pouco sobre o enredo de 2011 e ela cantou "A flor e o espinho" do homenageado do carnaval do ano que vem, Nelson Cavaquinho. E por falar em carnaval... primeiro, "Pedra 90". Depois, "Caymmi mostra ao mundo o que a Bahia e a Mangueira têm", samba enredo de 1986. As duas vieram para lembrar o saudoso Jamelão.

Serginho falou da alegria que estava sentindo por receber Alcione. Ela replicou: "muita gente já passou por este banquinho e quanta ainda vai passar!!! Eu quero voltar, aliás eu vou voltar aqui". A ilustre convidada não poupou palavras para elogiar o compositor, agradeceu aos meninos do Samba da Laje, a Ivo Meirelles pela presença, e encerrou com "Não deixe o samba morrer". Quando Marrom foi embora já eram 2hs da manhã. Muitos seguranças precisaram escoltá-la até a saída. Foi uma noite perfeita! Tudo maravilhoso! Eis a seguir, o setting de músicas:

1 Sinuca de bico
2 Meu ébano
3 Menino sem juízo
4 Mangueira é mãe
5 Hino da mangueira
6 Pedra 90
7 A flor e o espinho
8 Eu vou pra Lapa
9 Caymmi mostra ao mundo o que a Bahia e a Mangueira têm
10 A que mais deixa saudade
11 Não deixe o samba morrer

Nenhum comentário:

Postar um comentário