Sejam Bem-vindos


Quem a ouve não esquece... Voz exuberante e inconfundível à serviço da alma, refletindo a entrega de quem não teme se doar por inteiro. O poder e a sensualidade da voz negra que tinge a aquarela da música brasileira de marrom, com todo o suingue, brilhantismo e carisma de quem tem certeza que não está aqui por acaso. Vinte e oito discos de ouro e oito de platina, sendo dois deles de platina duplo. Inúmeros prêmios da MPB: Sharp de Música, Caras, Globo de Ouro, Rádio Globo, o Antena de Ouro, Tim, entre outros. Além desses, prêmios de grande vulto internacional como O Pensador de Marfim (concedido pelo Governo de Angola), Personalidade Negra das Artes (concedido pelo Conselho Internacional de Mulheres) e A Voz da América Latina (concedido pela ONU). Este blog é dedicado à cantora mais popular do Brasil. Filha do nosso chão, orgulho nosso. Uma mulher, uma negra, uma nordestina, uma brasileira guerreira: Alcione, a Marrom!

13 junho, 2010

Alcione foi a grande atração do XII Fica.

Fonte: Site do Fica XII
A cantora Alcione desembarcou na Cidade de Goiás para realizar um show na noite deste último sábado (12), no palco principal do XII Festival Internacional de Cinema e Vídeo Ambiental - FICA. E como foi dia dos namorados, ela dedicou especialmente para os casais apaixonados a música “Estranha loucura”. O show foi uma mescla de clássicos de seu repertório e músicas dos trabalhos mais recentes.

Marrom, como gosta de ser chamada, concedeu uma coletiva para a imprensa ontem à tarde, onde disse que se sentia muito feliz por estar na Cidade de Goiás e participar de um evento como o FICA, que tem “uma junção muito boa entre diversas artes”. Preocupada com as questões ambientais, ela advertiu:“as pessoas não se tocam de que a natureza vai vir furiosa para cima do homem. Temos muitas contas para prestar à natureza”.

Perguntada sobre a nova geração que vem redescobrindo o chamado “samba de raiz”, como Diogo Nogueira, Alcione comentou: “essa juventude que se interessa pelo cavaquinho, pela flauta, está redescobrindo nossa cultura”. Para o show, prometeu: “vou tocar meu trompetizinho, cantar, dançar, falar com as pessoas. Só não prometo um striptease porque já não estou com essa bola toda”.

Numa recepção simpática aos jornalistas participantes da entrevista coletiva, aproveitou para dar uma canja. Cantou trechos de algumas músicas a pedido de repórteres, cinegrafistas e fotógrafos.

Nenhum comentário:

Postar um comentário