Sejam Bem-vindos


Quem a ouve não esquece... Voz exuberante e inconfundível à serviço da alma, refletindo a entrega de quem não teme se doar por inteiro. O poder e a sensualidade da voz negra que tinge a aquarela da música brasileira de marrom, com todo o suingue, brilhantismo e carisma de quem tem certeza que não está aqui por acaso. Vinte e oito discos de ouro e oito de platina, sendo dois deles de platina duplo. Inúmeros prêmios da MPB: Sharp de Música, Caras, Globo de Ouro, Rádio Globo, o Antena de Ouro, Tim, entre outros. Além desses, prêmios de grande vulto internacional como O Pensador de Marfim (concedido pelo Governo de Angola), Personalidade Negra das Artes (concedido pelo Conselho Internacional de Mulheres) e A Voz da América Latina (concedido pela ONU). Este blog é dedicado à cantora mais popular do Brasil. Filha do nosso chão, orgulho nosso. Uma mulher, uma negra, uma nordestina, uma brasileira guerreira: Alcione, a Marrom!


11 outubro, 2010

Alcione cantou na primeira noite do Samba Manaus 2010.

Última presença a ser confirmada para o Samba Manaus 2010, Alcione chegou para somar. Sua ida ficou acertada no mês passado, quando a cantora esteve em território amazonense, participando do 26º FECANI - Festival da Canção de Itacoatiara. Um presente para os fãs daquelas terras que, diga-se de passagem, não são poucos. Aliás, esse amor é coisa antiga, que remonta ao início da carreira da Marrom, quando ela caminhava para se consolidar como um dos grandes nomes da nossa música, interpretando composições feitas na Amazônia, como é o caso de "Sufoco", "Alerta geral" e "Pandeiro é meu nome". Esta última, presente no repertório do lp "Pra que chorar", de 1977, ajudou a emplacar a marca de 400 mil cópias vendidas.

O show da Marrom no Samba Manaus 2010 aconteceu na sexta-feira (8) e começou no início da madrugada. Ela cantou durante uma hora e meia para uma multidão extremamente alegre e participativa. Durante o show, um fã tentou subir no palco para abraçá-la, mas foi contido pelos seguranças do evento. Alcione falou da relação de carinho que tem com seus fãs. E nós, mais do que ninguém, sabemos do que ela estava falando. Sempre atenciosa e carinhosa, explicou que não podia se abaixar para cumprimentar as pessoas que estavam próximas do palco, mas que adora quando os fãs pegam em sua mão.

Em um gesto de carinho, interpretou a música "A casa da mãe da gente", de autoria dos amazonenses Júnior Rodrigues e Gilson Nogueira, como homenagem àquele povo que sempre a recebe tão bem. A música está no seu último cd "Acesa" e é um verdadeiro sucesso na região. Foi cantada em coro pelos presentes.
Homenageando o seu Maranhão, cantou um Bumba-meu-boi, dizendo que assim como Manaus, sua terra também preserva e preza suas raízes. Ela interpretou grandes sucessos e deixou o palco muito aplaudida.

Um comentário:

  1. O SAMBA MANAUS BOMBOU COM A INTERPRETAÇAO DA MÚSICA "A CASA DA MÃE DA GENTE" VALEU ALCIONE...
    SALVE O SAMBA...SALVE O PARTIDO ALTO.

    ResponderExcluir