Sejam Bem-vindos


Quem a ouve não esquece... Voz exuberante e inconfundível à serviço da alma, refletindo a entrega de quem não teme se doar por inteiro. O poder e a sensualidade da voz negra que tinge a aquarela da música brasileira de marrom, com todo o suingue, brilhantismo e carisma de quem tem certeza que não está aqui por acaso. Vinte e oito discos de ouro e oito de platina, sendo dois deles de platina duplo. Inúmeros prêmios da MPB: Sharp de Música, Caras, Globo de Ouro, Rádio Globo, o Antena de Ouro, Tim, entre outros. Além desses, prêmios de grande vulto internacional como O Pensador de Marfim (concedido pelo Governo de Angola), Personalidade Negra das Artes (concedido pelo Conselho Internacional de Mulheres) e A Voz da América Latina (concedido pela ONU). Este blog é dedicado à cantora mais popular do Brasil. Filha do nosso chão, orgulho nosso. Uma mulher, uma negra, uma nordestina, uma brasileira guerreira: Alcione, a Marrom!

13 novembro, 2010

Um baita show em Porto Alegre!

Não importa quantas vezes a gente tenha assistido um show da Marrom! É sempre como se fosse a primeira vez. Horas antes, um turbilhão de sentimentos. Expectativa, ansiedade, tensão, alegria, emoção. Este não foi diferente. Aliás... foi! Fazia alguns shows que Alcione vinha cantando nos teatros da capital. Assistir um show em uma poltrona confortável às vezes pode não combinar com um bom samba, mas tudo tem seu valor, e eu, hoje, sentiria falta deste conforto, não fosse aquela boa e velha adrenalina.

Logo que chegamos na quadra, encontramos Bimbão. Nosso iluminador estava pouco esperançoso, tentando fazer o melhor com o equipamento que dispunha. Deu certo! O cara manja muito das coisas. Não é à toa que ele faz parte da equipe de uma das maiores cantoras do Brasil.

Desistimos do espaço vip e fomos para a pista, para a frente do palco. Direita ou esquerda? Esquerda! Algumas horas mais tarde saberíamos que não fora a escolha mais acertada, mas como a Marrom não abandona nunca os seus, nossa história ainda teve um final feliz. A quadra da Império da Zona Norte, que foi recentemente reformada, recebeu a banda Sem Comentários na abertura da noite. Eles deram conta do recado, sim! Executando sambas atuais e que estão na boca do povo, foi possível descontrair e amenizar a tensão. Em seguida, a bateria da escola foi quem deu a pinta, até que às duas horas, com precisão, foi anunciada a chegada da Marrom. Escoltada por seguranças, nossa cantora cortou a plateia e foi direto para o camarim.

A bateria, que para apresentar-se tinha feito com que a quadra recuasse, ao deixar o local, nos devolveu o espaço à frente. Enquanto os seguranças aliviavam as cercas de proteção, o povo avançava com vigor. Por conta disso, nosso acesso lateral foi fechado e ficamos presos entre o alambrado e a multidão. Enquanto nos olhávamos ainda incrédulos, o porta-voz da escola anunciava que em breve Alcione subiria ao palco, mas que, antes disso, estava recebendo algumas pessoas. Lá se ia nossa esperança de vê-la, já que estávamos prensados, sem termos para onde sair. Foi quando vimos Marquinhos, segurança da Marrom, do outro lado da quadra, pesquisando a multidão. Apoiei-me na cerca, estiquei o corpo, estendi o braço e consegui fisgar seu olhar! Marquinhos pediu que nos liberassem o acesso, mas o segurança disse que não tinha como passarmos. “Vai ter que dar! Alcione não canta sem ver eles!”, retrucou. No microfone, anunciavam: “o fã-clube da Marrom, aqui, por favor!”. Sem pestanejar, pulamos o alambrado lateral numa rapidez jamais vista!


Claudinha nos recepcionou, conduzindo-nos ao camarim. No espaço reservado, encontramos Bola (foto acima) no apoio. E lá estava ela, linda, atenciosa, distribuindo sorrisos. Nos recebeu carinhosamente. Perguntou como estávamos e avisou que o dvd sai até final de novembro, sem falta. Tomara mesmo! Também disse que em breve está voltado à Porto Alegre para inauguração de uma casa noturna de Ronaldinho Gaúcho.
Nossa cantora aparentava um pouco de cansaço, apesar de toda prontidão. A função começara cedo, com compromissos na Tv e na Rádio local. Mas ela não se dá por vencida nunca! Subiu naquele palco e fez o maior, o melhor show do mundo! Agradeceu a presença de todos, em especial, dos comunicadores Paulo Santana e Tatata Pimentel. O primeiro, ela fez questão de chamar ao palco e os dois cantaram juntos “Mundo de Zinco”, escolhida por ele. Sozinha, não faltou espaço para as canções clássicas do seu repertório e para os novos sucessos. Alcione foi aplaudida à cada música.
Generosa, retribuiu o carinho de quem a admira e a homenageia. Convidou ao palco a transformista cover Dandhara Rangel, muito conhecida aqui no sul. Alcione cantou “Mulher Ideal”, enquanto Dandhara a acompanhava, meio tímida e ao mesmo tempo emocionada.
É com gestos simples como esses que se forja uma diva. Aquela que faz com que o segurança barganhe um lugar melhor junto ao palco em troca de algumas fotos, e que faz com que o outro faça do rádio um cavaquinho, enquanto se delicia com o samba cheio de suingue da nossa cantora. No lugar privilegiado de onde estávamos era possível ver a expressão no rosto das pessoas, e perceber que não é só a gente que sente isso. Alcione tem um poder enorme de nos fazer bem.


2 comentários:

  1. Estava lá no camarote e senti exatamente essa energia do bem que ela passa a todos!!!!!!!!melhor show do mundo!!!!!

    ResponderExcluir
  2. muito bom o show dela!!!!!!!!!!o q goi ela cantar o canto alegretense!!!!!!!!!dez, mil, um milhao....nao exeste nota q resume essa mulher!!!!!!!

    ResponderExcluir