Sejam Bem-vindos


Quem a ouve não esquece... Voz exuberante e inconfundível à serviço da alma, refletindo a entrega de quem não teme se doar por inteiro. O poder e a sensualidade da voz negra que tinge a aquarela da música brasileira de marrom, com todo o suingue, brilhantismo e carisma de quem tem certeza que não está aqui por acaso. Vinte e oito discos de ouro e oito de platina, sendo dois deles de platina duplo. Inúmeros prêmios da MPB: Sharp de Música, Caras, Globo de Ouro, Rádio Globo, o Antena de Ouro, Tim, entre outros. Além desses, prêmios de grande vulto internacional como O Pensador de Marfim (concedido pelo Governo de Angola), Personalidade Negra das Artes (concedido pelo Conselho Internacional de Mulheres) e A Voz da América Latina (concedido pela ONU). Este blog é dedicado à cantora mais popular do Brasil. Filha do nosso chão, orgulho nosso. Uma mulher, uma negra, uma nordestina, uma brasileira guerreira: Alcione, a Marrom!


14 novembro, 2011

Batuque Brasil, dia 12 de novembro de 2011

Por Raydenisson Sá
Passei o sábado resolvendo a questão do presente de Alcione que trazia as fotos dos fãs alucinados por Madame Marrom. E apesar da correria, o presente ficou lindo!

Cheguei à Nova Batuque por volta das 22h30min. Comprei o ingresso do Terraço Vip, que foi denominado de Terraço Marrom. Mas estava tão lotado, que desci para a pista mesmo e fiquei aguardando o show, acompanhado de minha mãe Hildene e de minha namorada Soraia.

Coloquei os papos em dia. Encontrei Fernando de Carvalho, Gutemberg e outros amigos maranhenses. O grupo “Vamu di Samba” foi responsável pela abertura do show da Alcione, que, por sinal, foi maravilhoso. O povo vibrou bastante; energia boa.

Terminado o show, o locutor da casa anunciou que em poucos minutos a Marrom estaria se apresentando e por volta das 00h20min informou à plateia que um convidado bastante famoso iria chamar a diva da noite para o palco. E assim foi feito! Ele chamou ao palco o Rei Reginaldo Rossi! Uma gritaria tomou conta da Batuque. O povo ficou eufórico (neste dia ele também fez show em São Luís). Foi uma grande surpresa.
Reginaldo Rossi falou sobre sua admiração pela artista e pela pessoa da Alcione e disse que tinha que retribuir uma surpresa que Alcione fez enquanto o mesmo cantava na sua terra, Recife.

O rei puxou “Garçom” à capela e o coro maranhense acompanhou sua voz. Então, ele chamou a diva para o palco. Marrom, bastante emocionada, retribuiu o carinho pelo rei, com beijos e abraços. Reginaldo saiu do palco porque teria que fazer seu show e Alcione iniciou brindando a todos com grandes sucessos...

Porém, na segunda canção, a mãe de uma amiga da faculdade passou mal e fomos parar no camarim que dava acesso ao palco, local onde foi feito o atendimento médico. Foi neste momento que conheci o Reginaldo Rossi, um amor de pessoa.

Passado este momento, voltei ao meu lugar e curti o show inteiro. Alcione cantou “Duas Faces”, “Mulher Ideal”, “A Loba”, “Medo”, “Metade de Mim”, “Faz Uma Loucura Por Mim”, “Mulher Bombeiro”, “De Jamaica a São Luís” e outras canções de sucessos. No momento “conversa com a platéia”, comentou com graça sobre os boatos de que ela e Roseana Sarney seriam donas das lojas Novo Mundo.

Depois da troca de roupa, voltou cantando “Meu Ébano”. Neste momento, uma fã (a segunda da noite) subiu no palco tentando agarrar Alcione. Marrom mandou a Banda parar, explicou toda aquela questão dos pinos no tornozelo (que já sabemos) e que o palco estava escorregando muito. Continuou com “Meu Ébano”, quando a fã voltou novamente ao palco, se ajoelhou aos pés de Alcione e pediu um abraço. Alcione deu logo o abraço nela e ela foi embora.

Marrom seguiu o show com “Todavia”. Falou que irá desfilar na Beija-Flor, pois, segundo ela, não pode ficar de fora de um enredo que homenageia a sua terra. Durante o show, fez menção ao apresentador José Raimundo, Roberta Marão, Carlos Fernando Baptista (pais do nosso amigo Carlos Fernando), amigas da Escola Normal e outros amigos.

Seguiu cantando músicas inéditas e sucessos como “Você Me Vira a Cabeça”, “Perdeu Perdeu”, “Estranha Loucura” e “Verde e Rosa”, momento em que saiu do palco novamente e voltou vestida nas cores da Mangueira e com uma tiara brilhante na cabeça. Apresentou seus músicos e toda sua produção. O show estava chegando ao fim. Alcione cantou “Carnaval do Nosso Tempo”, “Bandida”, “Dança do Jeguerê” e despediu-se do público. Era exatamente 2hs30min.

Terminado o show, era aguardado o momento de me aproximar da diva. Lays Baldez veio me buscar e fui ao encontro de Alcione com o presente em mãos. Uma multidão de pessoas (amigos, fãs, autoridades) queria falar com Alcione. Ela estava sentada num banco e tirando fotos com todos. Embora cansada, Alcione atendeu à quase todos.

Avistei Vera, tirei foto com ela, que me levou até Alcione. Entreguei o presente. Acho que ela gostou! Tirei a foto, porém ficou tremida. E eu abalado né? Então, fiquei aguardando ela terminar de dar entrevistas e pedi para que repetíssemos a foto e ela, atenciosamente, atendeu meu pedido.

Ainda vi o Luiz Fernando Guimarães, que veio assistir a Marrom em sua terra. Tirei fotos também com Carlos Fernando, Rosana Baldez. Enfim, a noite foi linda! Agradeço à Rosana Baldez por mais esta oportunidade de rever minha Marrom. Agradeço a toda a produção da negona e principalmente a Deus por mais este momento inesquecível. Axé.






Nenhum comentário:

Postar um comentário