Sejam Bem-vindos


Quem a ouve não esquece... Voz exuberante e inconfundível à serviço da alma, refletindo a entrega de quem não teme se doar por inteiro. O poder e a sensualidade da voz negra que tinge a aquarela da música brasileira de marrom, com todo o suingue, brilhantismo e carisma de quem tem certeza que não está aqui por acaso. Vinte e oito discos de ouro e oito de platina, sendo dois deles de platina duplo. Inúmeros prêmios da MPB: Sharp de Música, Caras, Globo de Ouro, Rádio Globo, o Antena de Ouro, Tim, entre outros. Além desses, prêmios de grande vulto internacional como O Pensador de Marfim (concedido pelo Governo de Angola), Personalidade Negra das Artes (concedido pelo Conselho Internacional de Mulheres) e A Voz da América Latina (concedido pela ONU). Este blog é dedicado à cantora mais popular do Brasil. Filha do nosso chão, orgulho nosso. Uma mulher, uma negra, uma nordestina, uma brasileira guerreira: Alcione, a Marrom!


14 fevereiro, 2013

Alcione preocupa-se com punição de escola

Convidada para representar o samba no Recife, terra do frevo, Alcione veio mais preocupada com a situação da Mangueira, escola de seu coração, punida por ter atrasado sete minutos na Sapucaí, no Rio de Janeiro. “Vamos ver no que vai dar”, conforma-se a Marrom. Orgulhosa, ela acredita que o samba-enredo da Verde e Rosa em homenagem à cidade, de 2008, é uma música não pode faltar em seus shows pela capital.

Porém, não é sem um friozinho na barriga que ela encara uma apresentação no Recife: “vocês tem tudo, gente, de maracatu a forró! Cantar aqui é muita responsabilidade porque tem que agradar esse povo que tem gosto de muitas coisas”, diz a maranhense, feliz por estar novamente na cidade, que considera sua segunda casa.

“Vou contar uma coisa sem medo de errar: esse povo é doido por mim e eu sou doida por eles. Parece que nasci aqui, sempre foi assim”, gaba-se, orgulhosa. A conexão com os sons de Pernambuco vem de casa, seu pai tocava em uma orquestra de frevo. “Ele dizia que músico que não toca choro e frevo não é músico”, lembra aos risos.

Nenhum comentário:

Postar um comentário