Sejam Bem-vindos


Quem a ouve não esquece... Voz exuberante e inconfundível à serviço da alma, refletindo a entrega de quem não teme se doar por inteiro. O poder e a sensualidade da voz negra que tinge a aquarela da música brasileira de marrom, com todo o suingue, brilhantismo e carisma de quem tem certeza que não está aqui por acaso. Vinte e oito discos de ouro e oito de platina, sendo dois deles de platina duplo. Inúmeros prêmios da MPB: Sharp de Música, Caras, Globo de Ouro, Rádio Globo, o Antena de Ouro, Tim, entre outros. Além desses, prêmios de grande vulto internacional como O Pensador de Marfim (concedido pelo Governo de Angola), Personalidade Negra das Artes (concedido pelo Conselho Internacional de Mulheres) e A Voz da América Latina (concedido pela ONU). Este blog é dedicado à cantora mais popular do Brasil. Filha do nosso chão, orgulho nosso. Uma mulher, uma negra, uma nordestina, uma brasileira guerreira: Alcione, a Marrom!


28 março, 2017

Dois anos depois de deixar a sua São Luís, Alcione já era notícia no Jornal do Maranhão

Jornal do Maranhão, 21-06-1970
Alcione chegou ao Rio de Janeiro em 1968, e dois anos depois já era notícia na sua terra natal. Em 21 de junho de 1970, o Jornal do Maranhão, por meio da coluna de Fernando Moreira, noticiava os passos firmes dessa maranhense que veio para conquistar o Brasil e o mundo. Um dos primeiros registros de uma carreira de grande sucesso que a fez ascender ao mais alto posto da Música Popular Brasileira. Nesta época, Alcione cantava na noite. O primeiro lp veio somente cinco anos depois, em 1975, quando ela estourou com o disco "A Voz do Samba", cuja música de trabalho, "Não Deixe o Samba Morrer", virou um verdadeiro hino deste gênero musical.

Nenhum comentário:

Postar um comentário