Sejam Bem-vindos


Quem a ouve não esquece... Voz exuberante e inconfundível à serviço da alma, refletindo a entrega de quem não teme se doar por inteiro. O poder e a sensualidade da voz negra que tinge a aquarela da música brasileira de marrom, com todo o suingue, brilhantismo e carisma de quem tem certeza que não está aqui por acaso. Vinte e oito discos de ouro e oito de platina, sendo dois deles de platina duplo. Inúmeros prêmios da MPB: Sharp de Música, Caras, Globo de Ouro, Rádio Globo, o Antena de Ouro, Tim, entre outros. Além desses, prêmios de grande vulto internacional como O Pensador de Marfim (concedido pelo Governo de Angola), Personalidade Negra das Artes (concedido pelo Conselho Internacional de Mulheres) e A Voz da América Latina (concedido pela ONU). Este blog é dedicado à cantora mais popular do Brasil. Filha do nosso chão, orgulho nosso. Uma mulher, uma negra, uma nordestina, uma brasileira guerreira: Alcione, a Marrom!


06 abril, 2017

Marrom de novo???

Cara! Por que o apelido da Alcione é Marrom? Não. A gente não vai escrever um texto pra explicar por que o apelido da Alcione é Marrom. Se você é fã da Marrom e já viu uma, três, vinte e cinco, quinhentas e trinta e oito entrevistas da Alcione, você, com certeza, já ouviu ela mesma explicar uma, três, vinte e cinco, quinhentas e trinta e oito vezes por que o apelido dela é Marrom.

O mais impressionante é que faz 45 anos que ela responde a mesma pergunta como se fosse sempre a primeira vez e não se incomoda. Ela é show! Alcione demonstra entender como ninguém o mais profundo sentido da palavra "gratidão". Mas nós, não. Kkk A gente se incomoda a fu!

Poxa, não é possível que a pessoa perca minutos preciosos na frente da Marrom fazendo uma pergunta que todo mundo já fez!!!! No curso de jornalismo deve ter um manual que orienta coisas do tipo: antes do réveillon, faça reportagens sobre simpatias para começar o ano com o pé direito; depois das festas de final de ano, cai muito bem uma matéria sobre como acabar com a ressaca; e se você for entrevistar a cantora maranhense Alcione, por exemplo, você pode perguntar  "de onde surgiu o apelido Marrom?" 

Aí a pessoa sai da faculdade e segue o manual. Mas você é formado há 5, 15 anos e ela ganhou este apelido antes de ser famosa. Calcula aí... deve ter respondido essa pergunta já na primeira entrevista, há mais de 40 anos!

Fazer a mesma pergunta toda vez que alguém a entrevista é como imaginar que vai ter um show do Roberto Carlos todo final de ano na televisão. Tá! Até que não é tão ruim. Mas é completamente previsível! Por mais fofa que ela seja respondendo... Poderiam variar, né? Até porque a resposta não muda. A gente até acha que seria divertido se ela resolvesse sacanear! Kkk

Alcione é uma pessoa que todo brasileiro sabe quem é. Essa informação já nasce praticamente no DNA da criança. Muita gente nem sabe dizer como ficou conhecendo ela. Ela já tá aí e a gente tem a impressão que é desde sempre. E também a chamam de Marrom. Pronto. Acabou. Não precisa perguntar. Até por que se alguém já teve esta curiosidade de saber, com certeza já jogou no Google. Certo que sim! 

Então, se você é jornalista, apresentador, radialista, ou seja lá quem for, e um dia for entrevistá-la, não caia nessa mesmice. Pela saúde mental desse fã-clube! A gente agradece! Seja criativo, seja diferente, invente. 

Será que em casa a chamam de Alcione ou de Marrom? Ou será que ela tem outro apelido? Alguém já deu pitaco pra dizer que não seria uma boa ela usar o apelido Marrom? Ou alguém chegou a sugerir que ao invés de Alcione, ela usasse um nome artístico? Alcione, por acaso você é de colocar apelido nas pessoas? Confessa, safada! Ahhh essas coisinhas diferentes, sim, a gente ficaria feliz em saber! 

A dica de hoje é: vamos nos reciclar, minha gente! Faça bonito, faça diferente. Cante em francês. Cante um bolero aí pra gente...

Nenhum comentário:

Postar um comentário